6ª Reunião de Troca de Conhecimentos

Ribeirão Tanquinho Vivo

Mobilização e Educação Ambiental como instrumentos de gestão ambiental.

 

 

 

José Eduardo Bittar parceiro do projeto Ribeirão Tanquinho VIVO

 


    Na última RTC, realizada no dia 27 de fevereiro de 2008, o médico homeopata José Eduardo Bittar, presidente do Instituto Arte Saúde, parceiro do Ribeirão Tanquinho Vivo, projeto patrocinado pela Petrobras, através do Programa Petrobras Ambiental, apresentou a palestra “Controle Ambiental da Água e Cidadania Pelas Águas”, na sede do Lions Clube Botucatu Centro, outro parceiro do projeto. Durante a palestra o doutor Bittar enfatizou que o plantio de árvores nas margens do ribeirão é muito importante para a população ribeirinha, uma vez que a presença delas está intimamente ligada à qualidade da água, à manutenção e quantidade do chamado ciclo da água, que é o caminho por ela percorrido ao evaporar dos rios transformando-se em nuvens e voltando novamente em forma de chuva. As árvores também funcionam como esponjas que absorvem as águas das chuvas evitando  ou amenizando as enchentes.

O maior tesouro de uma comunidade é ter um sistema aquático saudável uma vez que a água limpa serve para beber, cozinhar e banhar. De acordo com o médico, 65% das doenças conhecidas pela medicina são transmitidas através da água. No Brasil, 60% do esgoto é lançado em rios e lagoas. Dados fornecidos pela Sabesp apontam 27 esgotos clandestinos no Tanquinho. Também falou sobre o problema das enchentes, comum no quarteirão 4.

Enfatizou que os municípios têm legislação específica em relação ao aumento do adensamento de construções e da cobertura asfáltica que impermeabilizam o solo, impedindo a drenagem das águas da chuva que são coletadas pelas galerias pluviais e toda esta água é despejada de uma só vez nos rios, favorecendo as enchentes.

Conclui que o poder público e a sociedade devem agir com responsabilidade e inteligência para manter os rios e o solo urbano saudáveis, bem arborizados, bem drenados, sem lixo, sem entulho e  sem esgoto para que os investimentos públicos destinados para tratar as doenças, conservação das redes de água e esgoto, gastos com os transtornos causados pelas enchentes, sejam usados utilizados no planejamento e execução de projetos e obras que integrem o meio ambiente sadio e os espaços urbanos construídos, fatores que norteiam a qualidade de vida.

 

 

Finalizando a 6ª RTC o cantor Alê Moreira interpretou a música RIO, escrita por Cláudio Fanelli e que foi vencedora do prêmio Melhor Canção da Cuesta no festival regional de música, Botucanto.

Alê Moreira fez uma homenagem ao Ribeirão Tanquinho oferecendo a música RIO para ser o hino do Tanquinho o que tornou a sua apresentação ainda mais emocionante. O Ribeirão Tanquinho agradece a esta manifestação de carinho.

 

 

Leia o 6º Informativo - fevereiro/março contendo as notícias da 6ª RTC

 

 

Voltar para  Mobilização e Educação Ambiental