PROGRAMA POMARES URBANOS

Frutos da gestão partilhada do Ribeirão Tanquinho

O Programa Pomares Urbanos dá continuidade ao Programa de Recuperação Hídrico Florestal do Ribeirão Tanquinho e é uma estratégia de conservação do Ribeirão Tanquinho que da nascente à foz, percorre 12 quarteirões da área urbana do município de Botucatu.

Desde 2001 a ONG S.O.S Cuesta de Botucatu desenvolve ações de conservação e recuperação do rio urbano, associadas à mobilização e educação ambiental junto à população, que hoje é capaz de identificar os processos de degradação do ambiente ribeirinho, definir soluções e priorizar as ações para minimizar os fatores causadores da degradação.

Entre 2007 e 2008 a ONG executou o projeto "Ribeirão Tanquinho Vivo: Mobilização e Educação Ambiental como instrumentos de gestão ambiental", patrocinado pela Petrobras, através do Programa Petrobras Ambiental. Este projeto promoveu 11 reuniões de troca de conhecimentos com a população do entorno do ribeirão; realizou um diagnóstico e com os resultados, gerou um relatório da qualidade ambiental ribeirinha; realizou a limpeza e manutenção do reflorestamento dos 4 primeiros quarteirões, promovendo a valorização do ambiente ribeirinho.

A primeira fase do Programa Pomares Urbanos foi idealizada durante uma das primeiras reuniões de troca de conhecimentos e é uma demanda da população ribeirinha.  A comunidade elegeu as árvores frutíferas plantadas pela ONG na nascente e nas margens do Tanquinho,  como sendo o melhor atributo de suas APPs e que o plantio de árvores frutíferas deveria ser ampliado para toda a extensão do ribeirão.

Diante desta demanda, o Programa Pomares Urbanos vai realizar as seguintes atividades:

  • Identificar os moradores e proprietários de imóveis situados às margens do Ribeirão Tanquinho que queiram plantar em seus quintais, espécies arbóreas frutíferas nativas e/ou exóticas e nas Áreas de Preservação Permanente do ribeirão, espécies arbóreas nativas.

  • Promover o plantio e a manutenção das mudas plantadas nos quintais  dos 12 quarteirões do ribeirão por um período de dois anos.

  • Promover o plantio e a manutenção das mudas plantadas nas APPs  dos 12 quarteirões do ribeirão por um período de dois anos.

  • Orientar os moradores ribeirinhos sobre os cuidados dispensados com as mudas de árvores frutíferas e despertar a admiração da comunidade em relação ao ambiente ribeirinho e conseqüentemente, estimular o seu lado conservacionista.

São parceiros deste programa:

PET Florestal: (Programa de Educação Tutorial) da Engenharia Florestal da UNESP de Botucatu, é um grupo composto por treze alunos de graduação e um professor tutor, a professora Magali Ribeiro da Silva. O grupo faz parte de um programa financiado pela Secretaria de Educação Superior, com a finalidade de formar profissionais dotados de liderança intelectual, pensamento crítico e capacidade de disseminação de aprendizado, contribuindo assim com a melhoria do curso de graduação através da interação constante com ensino, pesquisa e extensão. O PET Florestal é o co-executor das atividades de identificação, plantio, acompanhamento do desenvolvimento das mudas, acompanhamento da manutenção e educação ambiental.

SABESP – Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo – Unidade de Negócios do Médio Tietê apóia esta atividade, na aquisição, plantio e manutenção das mudas de árvores frutíferas que serão plantadas nos quintais dos moradores que se inscreveram voluntariamente no programa.

SMMA - Secretaria Municipal do Meio Ambiente - A partir de 2009, a Prefeitura Municipal de Botucatu, através de suas secretarias de Obras e Meio Ambiente vem atuando na melhoria da qualidade urbanística ambiental do Ribeirão Tanquinho, promovendo a construção de guarda corpos nas pontes, calçadas, abrigos nos pontos de ônibus e esporadicamente, promovendo a limpeza do mato nas APPs. A SMMA apóia o Programa Pomares Urbanos com o material educativo e de comunicação, além de promover a retirada de matéria verde e lixo, proveniente da manutenção das APPs.

 RESIPLAN Construtora -  O novo empreendimento da Resiplan, o residencial Vivendas de La Salle, ocupa uma área de aproximadamente 10 mil m2, na margem direita do Ribeirão Tanquinho respeitando sua área de preservação permanente. A concepção do empreendimento procurou adotar iniciativas de sustentabilidade como a captação e armazenamento de água da chuva para o uso na lavagem de pisos e irrigação de jardins; sistema de economia de energia utilizando sensores de presença e o uso responsável das APPs do Ribeirão Tanquinho através do Projeto do Bosque Ecológico Vivendas de La Salle, desenvolvido pela Meta Ambiente Soluções Ambientais, aprovado na Secretaria Estadual do Meio Ambiente/Cetesb 0000081284/2009 em 23/10/2009. O Bosque Ecológico foi planejado para estimular os moradores a caminhar sobre uma trilha suspensa, de eucalipto tratado, de forma a não causar impacto no solo nem impedir a regeneração vegetal, propiciando a observação das belezas do Ribeirão Tanquinho. A trilha leva o visitante ao Mirante dos Bambus, incentiva a prática de exercícios físicos na Academia ao ar livre, além de disponibilizar um espaço agradável para ler um livro ou descansar no Redário. Esses espaços estão licenciados de acordo com as Leis de Proteção ao Meio Ambiente, especialmente a Resolução Conama nº 369/2006 que trata de intervenções em área de preservação permanente de atividades de baixo impacto. A Resiplan apóia esta atividade na aquisição, plantio e manutenção de 770 mudas de árvores nativas frutíferas que serão plantadas nas APPs do Ribeirão Tanquinho, além de investir em material didático e promocional.

 

 

O Programa Pomares Urbanos é fruto da gestão partilhada do Ribeirão Tanquinho onde a sociedade, o poder público e a iniciativa privada atuam de maneira continuada e sustentável,  para recuperar, proteger, manter e valorizar o rio urbano e a mata ciliar,  promovendo a convivência harmônica da população com os elementos naturais ali existentes.

O Ribeirão Tanquinho serve como modelo de gestão partilhada de rio urbano para que ações similares sejam priorizadas em todo o município.

 

 

AÇÕES DO PROGRAMA POMARES URBANOS

2009

7 de junho - Lançamento do Programa Pomares Urbanos no Parque Municipal Joaquim Amaral Amando de Barros, em comemoração à Semana do Meio Ambiente.

A ONG S.O.S Cuesta e os alunos do PET Florestal, aproveitaram o espaço fornecido pela Secretaria do Meio Ambiente no Parque Municipal para divulgar o Programa Pomares Urbanos e seus parceiros, utilizando-se de painéis contendo fotos e cartazes explicativos, uma maquete e um display para colocar o rosto e tirar fotos que alegrou  crianças e adultos.

Espaço fornecido pela Secretaria do Meio Ambiente

Aluno do PET explicando para os visitantes o Programa

Crianças posando para foto no display

 

15 de junho -  Visita casa a casa, apresentação do projeto, apresentação do termo de adesão,  aplicação de questionários.

Todos os vizinhos do Tanquinho foram visitados pelos membros da ONG e pelos alunos  do Pet Florestal. Durante as visitas, as ações do Programa foram minuciosamente explicadas aos moradores cujos quintais dão fundos para o Ribeirão Tanquinho. Os moradores foram incentivados a responder um questionário para que a ONG tivesse informações sobre o local onde moram, seu relacionamento com os elementos da natureza ali presentes e se tinham possibilidade e interesse de cultivar em seus quintais e APPs, um pomar de espécies nativas. Um Termo de Adesão ao Programa foi assinado pelo vizinho do Tanquinho permitindo o plantio em sua propriedade.

Morador vizinho do Tanquinho sendo entrevistado por aluno do PET Florestal

 

23 de setembro -  Realização da primeira reunião com moradores na sede da Sociedade Amigos do Bairro Tanquinho.

 250 convites foram enviados pelo correio, através da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, para os moradores vizinhos do Ribeirão Tanquinho para apresentar detalhes do projeto e assinatura de um termo de adesão, onde os moradores permitem o plantio de árvores frutíferas em suas APPs e quintais e se comprometem a cuidar das árvores.

A reunião foi realizada na sede da Sociedade Amigos do Bairro Tanquinho, na rua Reverendo Francisco Lotufo, 444 e contou com a presença do vereador Dr. Bittar, do Secretário do Meio Ambiente, representante da Sabesp, alunos do PET Florestal, moradores e membros da ONG.

Kaco apresentando o Programa para moradores e parceiros na sede da Sociedade Amigos do  Tanquinho

 

Ao todo, 25 moradores foram cadastrados mas apenas 12 quintais se adequaram aos pré requisitos para o plantio como área livre permeável, declividade e para as APPs área livre sem cobertura vegetal.

 

AÇÕES DO PROGRAMA POMARES URBANOS

2010

 

Março - Realização de parceria com a Resiplan Construtora através do empreendimento imobiliário Vivendas de La Salle.

Até o presente momento, o Programa Pomares Urbanos contava com o apoio da Sabesp que forneceu  a mão de obra e as mudas de espécies frutíferas para serem plantadas nos quintais e da Secretaria do Meio Ambiente de Botucatu que fornecia a postagem de correspondência pelo correio. Em março de 2010 a parceria com a Resiplan foi fundamental para o desenvolvimento efetivo do Programa ao fornecer as mudas de espécies nativas frutíferas a serem plantadas nas APPs, a mão de obra para a manutenção do plantio por um período de 2 anos e a confecção de camisetas e cartilhas educativas.

A união da sociedade, do poder público e da iniciativa privada são comprovadamente essenciais para promover a gestão sustentável de recursos hídricos urbanos. Prova disso é a realização do Programa Pomares Urbanos, frutos da gestão partilhada do Ribeirão Tanquinho.

 

Medição de quintais e escolha das espécies frutífera nativas e exóticas

 

Residência do Sr. Décio Campos bastante arborizada. A direita da foto está a APP do Ribeirão Tanquinho

 

 Durante 2 fins de semanas consecutivos foram visitadas as 25 casas inscritas no Programa para reconhecimento dos quintais e das APPs. Os quintais e APPs foram medidos e a escolha das espécies frutíferas foram criteriosas. No quintal do Sr. Décio, por exemplo, só havia espaço para uma única laranjeira. As APPs apresentavam grande declividade e cobertura vegetal satisfatória, mesmo assim foram plantadas 4 árvores nativas frutíferas. Ao todo 12 casas foram selecionadas e plantadas 60 árvores frutíferas nos quintais, entre elas, a laranjeira do Sr. Décio.

 

Plantio de mudas frutíferas nativas e exóticas nos quintais cadastrados

 

Araticum

Carambola

Laranja

 

 

Março - Plantio nas APPs com espécies nativas frutíferas

 

A foto aérea ao lado, identifica os 31.600 m2 de Áreas de Preservação Permanente do Ribeirão Tanquinho, entre as ruas Major Leônidas Cardoso e Coronel Fonseca, que necessitavam melhorar sua cobertura vegetal e onde foram plantadas mais de mil mudas de espécies nativas frutíferas. Os funcionários do Residencial Vivendas de La Salle iniciaram a limpeza das APPs do quarteirão da rua José Dal Farra logo após a aprovação pela CETESB, do projeto de restauração florestal elaborado pela Meta Ambiente Soluções Ambientais. O plantio do quarteirão da rua Major Leônidas Cardoso contou com a participação efetiva

de várias Instituições Estaduais, Municipais e da Sociedade Civil. Cada instituição recebeu uma muda com um cartão de identificação contendo o nome da muda e a instituição que fez o plantio. Para identificar a área, os funcionários do Vivendas de La Salle também deram a sua valiosa contribuição.

Funcionários do Vivendas de La Salle instalando placa do Programa Pomares Urbanos

Funcionários  contribuindo com a identificação do local do plantio de mudas

Funcionário do Vivendas de La Salle promovendo a limpeza da APP para o plantio de mudas

Várias instituições participaram efetivamente do plantio

As mudas foram todas identificadas

Identificação contendo o nome da muda e quem plantou

 

Participaram do plantio no dia 31 de março de 2010, os representantes das seguintes instituições: Companhia Ambiental do Estado de São Paulo/CETESB/SMA; Fundação para a Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo/SMA; Instituto Florestal/SMA; Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp; Secretaria Municipal do Meio Ambiente; Conselho Municipal de Defesa do meio Ambiente; Instituto Floravida; Jornal Diário da Serra; Pet Florestal; SOS Cuesta de Botucatu e Resiplan Construtora.

 

Abril - Confecção e Distribuição do Manual de Cultivo de Árvores Frutíferas que Atraem Pássaros.

O Manual de Cultivo de Árvores Frutíferas que Atraem Pássaros foi elaborado pela ONG S.O.S Cuesta e distribuído para auxiliar os 250 moradores vizinhos do Ribeirão Tanquinho nos cuidados com as áreas de preservação permanente e com as árvores frutíferas recém plantadas nos quintais e nas APPs.

O Manual traz informações sobre a importância das Matas Ciliares, a legislação brasileira que institui as APPs, sobre o plantio e cultivo das árvores frutíferas dos quintais e das APPs, além de trazer o nome de todas as espécies florestais plantadas pelo Programa Pomares Urbanos e dentre elas, as espécies que atraem pássaros.

As ilustrações das árvores que atraem pássaros foram retiradas do livro Aves Brasileira e Plantas que as Atraem de Johan Dalgas Frisch e Christian Dalgas Frisch, gentilmente cedidas para compor o Manual.

Centenas de cartas foram enviadas aos moradores do Ribeirão Tanquinho, contendo um informativa Trimestral sobre o Programa e o Manual de Cultivo de Árvores Frutíferas que Atraem Pássaros.

 

Informativo e Manual enviados pelo correio com o apoio da Secretaria Municipal do Meio Ambiente

 

 

Ao realizar o Programa Pomares Urbanos a SOS Cuesta de Botucatu atingiu os objetivos do Programa de Recuperação Hídrico Florestal do Ribeirão Tanquinho que em 2001, se propôs a recuperar o ambiente ribeirinho, desenvolvendo  ações para:

1. Recuperar e preservar o ambiente ribeirinho, com o envolvimento da sociedade, visando o desenvolvimento da consciência cidadã.

2. Reflorestar as margens do Ribeirão Tanquinho, da nascente à confluência com o Ribeirão Lavapés.

3. Contribuir para a educação ambiental.

4. Preservar o manancial do Município de Botucatu.

5. Preservar as espécies florestais e frutíferas nativas, que servem de alimento e abrigo para aves e outros animais da região.

 6. Preservar a bacia hidrográfica do Rio Tietê.

 

 

Início -  Educação Ambiental