Corruíra – Graciosa e irrequieta, alimenta-se de pequenos frutos, sementes e insetos.

 

 

 A Fauna silvestre foi o assunto da Terceira Reunião de Troca de Conhecimentos com a população.

 

 

O projeto Córrego da Cascata apresentou no dia 28 de julho os resultados parciais da Caracterização da Fauna Silvestre na RTC 3.

O Coordenador da Caracterização da Fauna explicou aos moradores e parceiros as metodologias utilizadas na caracterização da avifauna e da mastofauna, mostrou através de fotos aéreas os fragmentos estudados com suas características físicas.

São cinco fragmentos de Mata Atlântica, dos quais quatro fragmentos estão localizados no distrito de Rubião Júnior (matas do Morro de Santo Antônio, do Éden, do Residencial Parque das Cascatas, do Residencial Terras Altas) e um fragmento na área urbana de Botucatu (mata do bairro Recanto Azul).

 Até o presente momento foram identificadas 103 espécies de aves e 9 de mamíferos, através da visualização direta, relato de moradores, identificação do canto das aves e pegadas dos mamíferos.

 

Parcelas de areia onde são registradas as pegadas dos mamíferos

Contra molde de gesso com a pegada de tatu galinha

 

 

Após a apresentação, a preocupação com os atropelamentos da mastofauna foi debatida entre os presentes e foi sugerido o estudo da implantação de dispositivos de passagem dos animais através da Rodovia e a instalação de placas alertando o usuário da Rodovia Domingos Sartori sobre a travessia de animais silvestres.

Conforme foi sugerido na RTC2, a equipe do projeto Córrego da Cascata entrou em contato com o pesquisador Silvio César Almeida do Departamento de Zoologia do Instituto de Biociências da UNESP que nos cedeu a  imagem da nova mascote do projeto, a perereca Bokermannohyla izecksohni.

A equipe apresentou aos moradores e parceiros um outdoor patrocinado pela Petrobras, através do Programa Petrobras Ambiental, recomendando cuidados com o descarte do lixo para não poluir o Córrego da Cascata. O outdoor foi instalado na Rodovia Domingos Sartori.

 

A equipe do projeto instalando o outdoor com a perereca mascote Bokermannohyla izecksohni

 

Outro assunto discutido entre os moradores que participam da gestão da microbacia hidrográfica do Córrego da Cascata foi uma grande queimada que a tingiu uma extensa área da microbacia, desde o Residencial Spazzio Verde até o Residencial Parque das Cascatas. As queimadas são frequentes na microbacia e devem ser combatidas pois além de colocar em risco os bens imobiliários, são devastadoras para a biodiversidade, reduzindo a qualidade ambiental ribeirinha.

 

Queimada na microbacia, julho 2011, entre o residencial Spazzio Verde e o Parque das Cascatas

Morador fazendo o possível para conter o fogo

Morador fazendo o possível para conter o fogo

 

Os moradores presentes na RTC 3 sugeriram que uma reunião fosse agendada com a SMMA, contando com a presença de moradores e representantes dos órgão competentes para definir ações e procedimentos de prevenção e combate efetivo às queimadas.

 

Venha participar da gestão partilhada do Córrego da Cascata.

As RTCs são realizadas na última quinta feira de cada mês, na Associação dos Docentes, AD, na Alameda das Sibipirunas, nº 740, Rubião Jr, das 19:30 às 21:30h.

 

Mande sua sugestão para  soscuesta@soscuesta.org.br

 

Home Caracterização Social