Caixas de papelão restauradas e reutilizadas para arquivamento e transporte de materiais do projeto.

 

 

Adoção de Medidas Ecoeficientes na Gestão do Projeto

 

 

Durante a execução do projeto Córrego da Cascata a ONG SOS Cuesta de Botucatu está adotando iniciativas Ecoeficientes para promover a Reciclagem, o Reaproveitamento de materiais, a Redução de consumo de materiais e a Redução do lixo.

A equipe está utilizando o verso de folhas impressas como rascunho. As folhas são carimbadas com a palavra REUTILIZE e distribuídas em blocos para anotações durante as reuniões.

No local de reuniões foram colocados dois cartazes indicando o local de descarte do lixo reciclado e lixo úmido.

    Cartaz indicando a lixeira destinada exclusivamente ao material reciclável.

      Lixeira embutida destinada exclusivamente ao material reciclável.

O material reciclável é recolhido no bairro pela Cooperativa de Coleta Seletiva de Botucatu.

 

 

A equipe  reutiliza e reaproveita envelopes pardos e caixas de papelão.

Os envelopes são reenviados pelo correio e utilizados para arquivar o material do projeto. As caixas são restauradas e identificadas com papel impresso, contendo a marca do projeto que por algum motivo não foi utilizado. As caixas são utilizadas para acondicionar, transportar e arquivar materiais do projeto. A ONG reutiliza caixas de papelão para acondicionar materiais desde o projeto Ribeirão Tanquinho Vivo.

Caixa de papelão restaurada e reutilizada para guardar material das RTCs.

Envelope pardo sendo preparado para a reutilização e re envio Folha impressa com os dados do remetente e destinatário é colada no envelope pardo

 

A equipe do projeto construiu 2 composteiras para reciclar o lixo orgânico transformando-o em composto orgânico, melhorando a utilização do lixo úmido e dos materiais provenientes do jardim, para a construção das composteiras.

Composteira de tela para reciclar o lixo orgânico em composto orgânico que será utilizado para adubação de canteiros.

Composteira de balde para reciclar pequena quantidade de material orgânico proveniente da cozinha

 

A equipe reutilizou caixas de sabão para máquina de lavar pratos para arquivar o material digital produzido durante a realização do projeto gravados em CDs.

Caixa de papelão resistente em bom estado de conservação.  Caixas identificadas com papéis impressos com as    marcas do projeto

No quarto trimestre de execução do projeto a equipe confeccionou uma caixa de Papelão Paraná para acondicionar as pegadas em moldes de gesso, adquiridas durante a Caracterização da Mastofauna nos remanescentes florestais da microbacia. Alguns moldes em gesso foram doados pela Faculdade de Ciências Agronômicas e pelo estagiário do projeto Vinícius Nunes Alves.

A caixa foi elaborada para servir de expositor didático nas atividades relacionadas com a fauna silvestre. Cada célula contém a foto do animal, uma breve descrição de suas características e as pegadas em gesso.

Caixa  para ser utilizada na atividade de educação ambiental Os Animais Silvestres e Nós.

Células contendo a foto e a descrição dos animais correspondentes a suas pegadas.

 

 

Com a entrada do inverno as chuvas tornam-se menos frequentes na região e isso motivou a equipe a adotar medidas para captar a água das chuvas e reutilizá-las na irrigação dos canteiros do jardim. Para captar a água da chuva do telhado foi utilizada uma barra de cano de PVC que desemboca em uma piscina de vinil de 5 mil litros. Para o sistema de irrigação foi utilizada uma bomba d’água elétrica, mangueiras de jardim e gotejadores.

Sistema de Coleta de água da chuva proveniente do telhado através de cano de PVC

Abaixo e à esquerda, bomba d’água elétrica que opera junto às mangueira de irrigação

Engate da mangueira da bomba d’água (branca) com mangueira de jardim (verde)

 

Mangueira de jardim (verde) conectada às Mangueiras de irrigação com gotejadores.

Água nos Gotejadores proveniente do sistema de irrigação: telhado-piscina-jardim

 

 A equipe confeccionou uma caixa de papelão para acondicionar as sementes das árvores registradas pela equipe da Caracterização do Meio Biótico Flora, adquiridas durante as visitas aos remanescentes florestais da microbacia.

Algumas sementes foram coletadas na Fazenda Experimental Edgárdia, pertencente à UNESP de Botucatu, localizada na mesma região da microbacia do Córrego da Cascata. As sementes foram doadas pela Faculdade de Ciências Agronômicas através do Departamento de Recursos Naturais/Ciências Florestais.

O sementário será utilizado pela ONG para atividades de educação ambiental e na divulgação do projeto Córrego da Cascata.

Sementes identificadas

 

 

Células da caixa contendo a foto e a descrição das árvores correspondentes a suas sementes.

 Caixa do sementário para ser utilizada em atividades de educação ambiental

 

 

A ONG promoveu uma oficina de reciclagem de papel, para 10 alunos do 7º ano, na Escola Aitiara, dando utilidade para folhas de papel A4 que por vários motivos foram descartadas ao longo da realização do projeto Córrego da Cascata.

A reciclagem de papel A4 apesar de ter um resultado grosseiro, serve para a fabricação de envelopes, convites, e capas de pastas e portfólios que também serão confeccionados pelos alunos e utilizados na escola.

O papel descartado pelo projeto Córrego da Cascata foi picado e deixado de molho em água por dois dias. A massa resultante foi triturada no liquidificador, até virar uma pasta que em seguida foi esparramada sobre uma armação de tela plástica.

A pasta sobre a tela ficou secando à sombra e pôde ser retirada da forma após algumas horas.

A maior lição dessa atividade que surpreendeu os alunos é que com uma tonelada de papel reciclado pode-se deixar de cortar 20 árvores adultas.

Massa de papel sendo esparramada na forma

 

 

 

 

Massa pronta para secagem à sombra

Folhas de papel reciclado

 

 

 

 

Se você adota medidas ecoeficientes em sua casa ou trabalho, conte pra gente! soscuesta@soscuesta.org.br

 

 

 

 

 

Home Córrego da Cascata