Caracterização e Relatório Ambiental

 

A Caracterização e o Relatório Ambiental correspondem ao segundo eixo do projeto Ribeirão Tanquinho Vivo

 

O objetivo deste eixo do projeto é  realizar uma Caracterização Ambiental dos 2,5 km do Ribeirão Tanquinho visando amplo conhecimento da área e produzir um Relatório Ambiental para subsidiar o órgão licenciador competente, o Poder Público Municipal e o Ministério Público nas questões legais relativas ao uso das APPs.

 

A Coordenadoria da Caracterização e Relatório Ambiental e sua equipe técnica  irão a campo para identificar e caracterizar as condições ambientais do ribeirão, das suas APPs e a pressão antrópica sobre esses bens naturais. Com os dados obtidos, serão produzidos um Relatório Ambiental e um conjunto de mapas do uso do solo a partir de fotografias aéreas, procurando-se identificar  a rede de drenagem, as áreas de preservação permanente e o atual uso do solo no entorno do ribeirão.

 

 

Bosque do Quarteirão 3 utilizado para realização de educação ambiental com escolas

 

Será apresentado no Relatório Ambiental : introdução, metodologia utilizada,   localização precisa e fotografada dos resultados obtidos, discussão e propostas de adequação ambiental. Os mapas e as informações obtidas com a coleta de dados a campo durante a caracterização do Ribeirão Tanquinho, estarão incluídas no relatório ambiental.

 

Uma análise em relação às leis ambientais vigentes será feita e os prováveis passivos ambientais serão listados e mapeados.  Este  documento será entregue ao Ministério Público para servir de subsídio nas questões legais referentes ao Ribeirão Tanquinho; será entregue uma cópia ao DEPRN como instrumento de consulta nos licenciamentos ambientais;  será entregue uma cópia à Prefeitura Municipal de Botucatu com especial indicação às Secretarias Municipais do Meio Ambiente e do Planejamento para que haja fiscalização efetiva do uso e ocupação das APPs e sirva de estímulo para o poder público recuperar as áreas degradadas e investir em infra-estrutura local; será entregue uma cópia à Câmara Municipal de Botucatu para conhecimento do trabalho e será entregue uma cópia ao representante legal do Lions Clube de Botucatu, parceiro do projeto e prestador de serviços para população.

 

 Espera-se que esse levantamento ambiental sirva de modelo e exemplo para ser seguido para diagnosticar todos os corpos d’água do município de Botucatu.

 

 

Mata Ciliar do Ribeirão Tanquinho. Recanto para apreciar a natureza

 

Caracterização e Relatório Ambiental do Ribeirão Tanquinho

 

Dia 12 de fevereiro foi iniciada a coleta de dados à campo. A equipe da S.O.S Cuesta de Botucatu está percorrendo todo o rio desde sua nascente, localizada nas proximidades da rua Salim Kahil, até sua foz, na altura do Terminal Rodoviário.

Durante o percurso estamos verificando todos os processos de degradação do rio, presença de erosão, assoreamento, depósito de lixo e entulho, esgoto clandestino, ausência de mata ciliar, edificações irregulares, problemas de infra-estrutura, áreas a serem reflorestadas entre outras informações que a equipe considerar relevante.

Observamos a presença de muito lixo e entulho, tanto no leito quanto nas margens do ribeirão e mesmo assim, a água é transparente, como mostra a foto abaixo.

 

Água limpa e o leito do ribeirão com muito lixo e entulho

 

 

Em muitos quarteirões observamos a ausência da mata ciliar que confere a proteção das encostas e margens do ribeirão e que são denominadas de Área de Preservação Permanente.

Como conseqüência da falta da vegetação arbórea nativa nas APPs, existem vários locais com processos erosivos em diversos níveis de gravidade o que causa também o assoreamento do rio. Alguns trechos das margens do ribeirão estão com barrancos instáveis e desmoronando.

Observando a foto abaixo, vemos um muro construído em área que deveria estar florestada, além da presença de entulho e o desmoronamento do barranco

 

           Presença de edificações irregulares dentro das APPs, observado na maioria

dos quarteirões

 

 

 

Os processos erosivos estão freqüentemente associados às instalações urbanas como pontes, ruas, calçadas e galerias pluviais. Percebe-se que a má instalação e conservação de equipamentos urbanos associados à força natural do rio e das chuvas, transforma o local num ambiente de risco para a natureza e para a população. Nota-se na figura abaixo o desmoronamento da galeria pluvial.

 

 

Má conservação do aparelhamento urbano

 

A Coordenadoria deste eixo do projeto encaminhou uma série de ofícios durante o período em que esteve desenvolvendo o levantamento da qualidade ambiental ribeirinha, a fim de solicitar reuniões, solicitar reparos de emergência, e principalmente solicitar esclarecimentos sobre a gestão do poder público em relação ao Ribeirão Tanquinho.

 

O diagnóstico ambiental do Ribeirão Tanquinho deve ser concluído até o final de março de 2008 levando informações importantes para que a população e  o poder público realizem em conjunto, a Gestão Ambiental do Ribeirão Tanquinho.

 

 

Caracterização Ambiental do Ribeirão Tanquinho

No dia 27 de agosto de 2008 foi realizada a entrega da Caracterização Ambiental aos órgãos do poder público, marcando o encerramento oficial das atividades propostas no projeto Ribeirão Tanquinho Vivo, patrocinado pela Petrobras, através do Programa Petrobras Ambiental.

 

A “Caracterização Ambiental do Ribeirão Tanquinho” é um dos resultados do Projeto “Ribeirão Tanquinho Vivo. Apresenta-se na forma de um relatório contendo informações coletadas à partir de entrevistas, levantamentos bibliográficos e dados coletados à campo sobre as características e os principais problemas ambientais observados no leito e margens do ribeirão. Seu principal objetivo é servir como base para tomada de decisões em relação ao ribeirão, decisões que podem servir de exemplo à gestão de outros cursos d´água. Mas também, seu conteúdo serve como um registro sobre diversos assuntos relacionados ao Ribeirão Tanquinho.
 

O primeiro capítulo mostra a atuação da ONG S.O.S. Cuesta de Botucatu no Ribeirão Tanquinho culminando no patrocínio da Petrobras. Em seguida revela-se a história e a memória do Ribeirão Tanquinho (capítulos 2 e 3) contadas através do historiador João Carlos Figueroa e dos próprios moradores do entorno do ribeirão.
 

Os capítulos 4 e 5 são dedicados às bases legais e de políticas públicas que norteiam a gestão ambiental para uma área como o Ribeirão Tanquinho.

Em seguida (capítulo 6) são apresentadas informações sobre os meios físico e biológico
do ribeirão: os aspectos geomorfológicos e geológicos que determinam suas características, em que bacia ele se encontra, a fauna e a flora presentes hoje em suas margens.
 

O capítulo 7 consiste na compilação de dados sobre os problemas ambientais coletados à campo para cada quarteirão atravessado pelo Ribeirão Tanquinho. São mostrados dados sobre as edificações construídas dentro da Área de Preservação Permanente (APP); as erosões observadas e conseqüentes assoreamentos; o problema dos resíduos urbanos que são despejados direta ou indiretamente no ribeirão e das águas residuárias e pluviais. Complementam este capítulo dois anexos: 1. cd contendo 12 relatórios detalhados para cada quarteirão atravessado pelo Ribeirão Tanquinho; 2. 7 mapas nos quais foram inseridos todos os elementos considerados os principais problemas ambientais observados no Ribeirão Tanquinho.
 

Finalmente o capítulo 8 trata dos atrativos que foram observados e que motivam a continuidade dos trabalhos para recuperação do Ribeirão Tanquinho.

 

A ONG S.O.S Cuesta de Botucatu disponibiliza o presente relatório em arquivo Adobe Acrobat. Caracterização Ambiental do Ribeirão Tanquinho.

 

 

Voltar para Projeto Ribeirão Tanquinho Vivo: Mobilização e Educação Ambiental como instrumentos de gestão ambiental